terça-feira, 28 de outubro de 2008

Rescaldo de um ausente

Ainda no rescaldo da grande festa dos jogos de tabuleiro - ESSEN 2008 - será interessante fazer um balanço de tudo aquilo que se foi escrevendo e opinando sobre o certame deste ano.

Tónica consensual parece ser a de que as grandes novidades não existiram, assistiu-se todavia à confirmação de que alguns jogos eram mesmo muito bons e de que outros são mesmo para passar ao lado.

Fiquei admirado com a importância dada, por parte do público, ao barómetro da Fairplay, mas isso talvez porque ainda não esteja muito acostumado a estas andanças! A tabela da Fairplay, para aqueles que não sabem do que se trata, é um barómetro construído a partir das opiniões manifestadas pelos participantes na feira e a valorização que dão aos jogos que jogaram durante os dias do evento.

Esta breve explicação serve-me para introduzir o jogo que a maioria dos jogadores consideraram como "o melhor" do certame. O jogo a que me refiro é - Dominion (já falámos dele aqui no JE!). Um jogo de cartas. Curioso como também no ano passado um jogo de cartas teve tão bom acolhimento do público - Race for the Galaxy - agora é ver os autores a explorar este filão. O que nos trará o futuro?!


O ranking deste ano ficou assim ordenado:

1. DOMINION von Donald X. Vaccarino (Hans im Glück) 2+
2. MACHU PICCHU von Walther „Mac“ Gerdts (PD) 2
3. COMUNI von Acchittocca (Tenki/Huch & friends) 2−
4. DIAMANTS CLUB von Rüdiger Dorn (Ravensburger) 2−
5. SNOW TAILS von Fraser und Gordon Lamont (Fragor) 2−
6. PANDEMIE von Matt Leacock (Pegasus) 2−
7. IM SCHUTZE DER BURG von Inka und Markus Brand (Eggert) 2−
8. ICE FLOW von Dean Conrad und John Streets (LG) 2−
9. AGE OF EMPIRES III von Glenn Drover (Pro Ludo) 2−
10. URUK von Hanno und Wilfried Kuhn (DDD) 2−

Na segunda posição ficou Machu Picchu, um jogo das Américas com um criador muito conhecido do "povo" dos jogos de tabuleiro nacionais. Mac Gerdts este no LeiriaCon do ano passado e tem já bilhete reservado para a edição de 2009, que será já no mês de Janeiro! Quando à sua nova criação há vestígios que indicam tratar-se de um bom jogo. Os nosso amigos do SpielPT falam muito bem do jogo e eles são profundos conhecedores daquilo que dizer sobre este jogo uma vez que foram uns dos playtesters da versão provisória do jogo. Para mim é um want to play.

Comuni foi uma grande surpresa para mim e o seu terceiro lugar ainda mais, é um jogo que me passou ao lado enquanto lia alguma coisa sobre a Feira (antes da sua realização), mas que fez alguma sensação. Anuncia-se como um jogo para jogadores mais experientes e onde o objectivo é construir uma cidade medieval obtendo ao longo do tempo projectos de construção através de um mecanismo de leilão. Um want to play para mim.


Na quarta posição surge um dos jogos que mais me atraiu - Diamond Club. Rüdiger Dorn é sempre um nome a ter em atenção e a temática do jogo, embora muito controversa, encaixa na perfeição no tipo de jogos de que gosto, isto é, familiares com alguma complexidade mas acessível a todo o mundo. Em DC somos negociantes de pedras preciosas que com a riqueza amealhada procuramos "mostrar" ao mundo toda a nossa opulência construindo verdadeiros palecetes. O dinheiro deste negócio servirá também para desenvolver novas tecnologias, comprar direitos de exploração mineira e novas minas. Mesmo ao meu jeito. Este é um must have para mim!


Poderia continuar a falar dos outros todos mas não me apetece, vou directo ao assunto que me interessa. O jogo da posição 7 - Castle for all Seasons. É um jogo da dupla de Guatemala Café, um jogo que passou ao lado da maioria dos jogadores - Inga e Markus Brand. A principal razão que me levou a olhar para este jogo foi a soberba dos gráficos, fruto da genialidade de Menzel, um dos meus ilustradores favoritos, mas depois disso, e lendo um pouco mais sobre o jogo percebi que este é também um jogo que se encaixa bastante no meu perfil de jogos. Neste jogo somos empreiteiros de obra que constribuiremos na construção do novo castelo do rei, para isso teremos de seleccionar personagens que nos traram benefícios mas também interacções múltiplas com os outros jogadores. Um must play para mim.


Referência ainda para dois jogos que gostaria muito de experimentar. Palais Royal de Xavier Georges - pareceu-me um jogo muito original para já não falar que os euros da Hans im Glück são regra geral muito bem "limados"; e Sylla de Dominique Ehrhard - com uma bela apresentação, vestígios de Saint Petersburg e o selo de qualidade Ystari...




Para o fim ficou aquele que quero mesmo comprar no Natal - Le Havre!


Com isto passaram-me ao lado muitos outros jogos interessantes mas que por certo o tempo trará "à tona"....

12 comentários:

Paulo Santos disse...

Do que tenho lido e visto sobre os novos lançamentos em Essen 2008, as minhas preferências vão para:
- Sator Arepo Tenet Opera Rotas
- The Princes of Machu Pichu
- A Castle for all Seasons
- The Name of the Rose
- Via Romana
- Poweboats
- Giants

Aqui podem ver algumas das fotos deste jogos e de outros na feira de Essen 2008:
http://www.milan-spiele.de/messe/index.html

Duarte disse...

Joguei ontem Le Havre. Muito bom. Muito parecido com Caylus e com ares de heavy game muito distante do Agricola. Só não encaixa muito bem é a história da comida (quando jogarem depois percebem) mas de resto encheu a mesa!

Quanto aos outros releases de Essen especial atenção a meu ver para o reprint do Wabash Cannonball (Chicago Express), Confucious e Galaxy Trucker BIG Expansion.

E o Dominion que tal?

johnnybegood disse...

Vi Dominio ser jogado em algumas mesas pela exposição em todos os dias de feira e numa das primeiras vezes parei para observar o jogo a decorrer.... não é jogo que me atraia... e tem muito ar de CCG... já sei que me vão linchar por dizer isto... mas como dizia o Pombeiro (entusiasta de Dominion): o insert faz adivinhar expansões futuras.
É uma questão de gostos...

Carlos Abrunhosa disse...

Hehe!

Pois para mim Dominion parece ser muito engraçado mas não está na minha lista de preferências.

Neste momento os meus preferidos para comprar são:
Le Havre
Diamond Club
Palays Royal

... mas como me conheço bem acho que à última hora vou mudar de ideias! lol

Cacá disse...

Grande Carlos...

Tenho jogado com certa frequência o Dominion no BSW e o jogo, na minha humilde opinião, é muito mais legal que o Race, mas é do tipo de jogo que eu jogarei o dos outros, mas não comprarei um pra mim... Se é que me entendes...

Dos outros ranqueados o Machu Picchu, Comuni e Snow Tails são os que mais me interessaram, o Castle tem uma cara de Stone Age que me deixa com o pé atrás (estou com o estandarte do Tribune e não abro mão)...

E o Sylla é aguardado ansiosamente, principalmente depois de ter jogado o Metropolys e ter gostado bem do jogo...

Abraços do Brasil...

Cacá

Paulo Santos disse...

sim... esqueci-me do “Chicago Express” da Queen Games. Parece-me estar a um bom nível.
Estive a ler as regras do The Princes of Machu Pichu, e fiquei um pouco desiludido. Tem algumas novidades, mas é mais do mesmo.
Da leitura que fiz ao “Sator Arepo Tenet Opera Rotas”, parece-me um jogo mais interessante e original.
Relativamente às regras do “A Castle for all Seasons” é um bom upgrade do “The Pillars of the Earth”, ao contrário do que tentou ser o “Stone Age”.
Já as regras do “Giants” pareceram-me cativantes.
Ainda não tive oportunidade de ler as regras do “Via Romana” e “Powerboats”.

Duarte disse...

Pois a mim o Dominion e após ter experimentado no BSW também não me aquece nem me arrefece, mas vai ter de ver a luz do dia brevemente porque possivelmente 2 ou 3 marmanjos do meu grupo vão comprar isso brevemente. Logo me decidirei ... mas preservativar 500 cartas também é assustador.

Agora em pulgas é pela chegada do meu Chicago Express e do Confucius e já agora da próxima joga do Le Havre ... soube a pouco :P

Carlos Abrunhosa disse...

Pois Le Havre gostava mesmo de jogar. Tenho muita curiosidade em jogar Diamonds Club do Dorn e o Palais Royal do Xavier George (um desconhecido para mim). Outro jogo que me tinha esquecido, e que me disse qualquer coisa foi Via Romana, como lembrou o Paulo!

Já agora se o Paulo estiver a ler, não te esqueças de falar comigo antes de encomendar jogos...

zorg disse...

Dos que foram falados, já tive oportunidade de jogar Confucius, Chicago Express (na versão Wabash Cannonball) e Dominion.

O Confucius faz lembrar um jogo do Wallace dos velhos tempos. É complexo, temático e tem um mecanismo extremamente original e interessante, que é a possibilidade dos jogadores darem presentes uns aos outros e, com isso, estabelecerem uma relação de poder uns sobre os outros. Joga-se em 3 horas ou menos e recomendo vivamente a quem apreciar jogos como struggle of empires, princes of the rennaissance, etc.

O Chicago Express é um jogo extraordinário. Tem regras simples, mas o jogo em si é extremamente interessante. É daqueles jogos em que, numa determinada altura, a melhor jogada pode ser uma em que se lixa(m) o(s) outro(s) jogador(es) e não uma em que se faz algo de construtivo. Aliás, a ciência do jogo é, precisamente, fazer as coisas de forma a que os outros jogadores te beneficiem a ti, quando se estão a beneficiar a eles. Como diz alguém no BGG, é um jogo de alianças temporárias e gestão de incentivos.

O Dominion é engraçado. Tenho jogado no BSW e é um jogo que tem, essencialmente, mecanismos inteligentes e inovadores. A ideia de ires construindo o teu deck de cartas à medida que o jogas é muito boa e está bem implementada. No entanto, parece-me que quando a novidade passar, este dominion não passa de um jogo de eficiência e optimização, com muito pouca interacção entre os jogadores, que pode ser jogado mais ou menos em piloto automático. Um pouco à semelhança do St. Petersburg. Eu não tenho nada contra isso, atenção (eu gosto de jogar St. Petersburg), mas para quem gosta de jogos mais interactivos e temáticos, não sei se valerá a pena. Pessoalmente, gosto muito mais do Race for the Galaxy.

Dos jogos que foram lançados em Essen, interessam-me especialmente o Powerboats, o Duck Dealer, o Le Havre e, eventualmente, o Steel Driver. Estou à espera que a poeira assente... ;)

Duarte disse...

Ó Zorg ... e a prometida review do Wabash? Devo ser o único gajo a chatear-te com isto mas gosto de ler o que escreves por isso se preferires manda-me um mail ehehehhe :)

zorg disse...

#Duarte

Está a caminho! :)

Não, a sério, está praticamente escrita e deve ser colocada esta semana no blog. Falta só limar uns pormenores.

Carlos Abrunhosa disse...

É favor escrever pois deves saber que toda a malta gosta de ler os teus artigos... apimentados! E os do Hugo também!