quarta-feira, 19 de novembro de 2008

The Castle for all Seasons - Eggertspiele

Do encanto à desilusão…

Acabei de fazer a tradução do “A Castle for all Seasons”, mais um jogo que foi lançado em Essen 2008.
É um jogo para 2 a 4 jogadores, a partir dos 10 anos, criado por Inka e Markus Brand.
Tem a duração aproximada de 45 a 60 minutos.

No meio das montanhas escarpadas, surgem as primeiras silhuetas de um monumental castelo. Uma fila serpenteante de comerciantes vai em direcção ao portão; e a agitação e os empurrões alicia pedreiros, canteiros e trabalhadores na esperança de obter salários e mantimentos. A área está a abarrotar de barracas de mercado; o magnífico castelo está a ser alargado em seu redor.

Os jogadores são construtores que precisam constantemente de recursos e de dinheiro. Para isso, existem cartas de personagem cujo uso determina uma nova ordem de jogar em cada jogada. Tens de estar continuamente em alerta para que os teus oponentes não beneficiem mais do que tu nas tuas acções.
O jogador que tiver o maior número de pontos de vitória no fim do jogo, merece a protecção do castelo e ganha o jogo.

Temos 1 tabuleiro com dois lados, imagem de marca da Eggertspiele, neste caso é o verão e o inverno.

O jogo tem a duração de 12 ou 15 jogadas. Cada jogada tem as seguintes fases:
1. O jogador inicial recebe o taler do maior espaço de jogada no tabuleiro e o marcador do jogador inicial (o jogador inicial para a primeira jogada é tirado à sorte).
2. Cada jogador selecciona uma carta de personagem e deita-a com a face virada para baixo à sua frente.
3. Todos os jogadores viram as cartas que jogaram ao mesmo tempo.
4. Se virares uma carta de trabalhador, equipa-a com recursos.
5. Executas as cartas jogadas pela ordem que está determinada para as cartas. Essa ordem das cartas está mostrada em cada carta sumário (assim que a última carta tenha sido executada, tem início a próxima jogada e muda o jogador inicial).

Depois da última jogada, o jogo termina, com a pontuação final (pontos de vitória para os teus ajudantes).

A impressão que fiquei depois de ter acabado de traduzir as regras, foi um pouco de desilusão, estava a espera de mais. Fiquei com a sensação que muitos dos mecanismos do jogo já os tinha visto noutros jogos como por exemplo o “Cuba”, “Puerto Rico” e “The Pillars of the Earth”. Relativamente a este último, o “The Castle for all Seasons” tem demasiadas parecenças.
Inicialmente era um dos jogos que estava na minha lista de possíveis aquisições, mas deixou de estar.

Mais sobre o jogo...

3 comentários:

Asur disse...

Por acaso tinha espectativas baixinhas em relação a este. Parece de facto mais do mesmo.

Mas o tabuleiro, fogo... É de pendurar na parede...

Carlos Abrunhosa disse...

Eu, ao contrário acho o jogo interessante! Bem, mas eu gosto sempre de jogos... até os jogar e deixar de gostar! :)

Cacá disse...

Eu sigo a opinião do Asur, não tinha muitas expectativas quanto a esse jogo, tirando a arte espetacular, sempre pareceu-me "mais um" work-placement (que é a febre do momento)...

Mas é claro que não vou deixar de jogá-lo, mesmo que seja para falar mal depois.. hehehehhe...

Abraços do Brasil...